boca de loba


Não sou estudioso do tema, mas me parece inviável qualquer discussão sobre aspectos e leituras queer no cinema brasileiro sem olhar atentamente para o que tem acontecido no Ceará. Pouco esforço de memória trazem à tona experiências extremamente cativantes como Santa Porque Avalanche, de Paulo Victor Soares, Janaína Overdrive, de Mozart Freire, Superdance, de Pedro Henrique, De Terça Para Quarta, de Victor Costa Lopes, Doce Amianto, de Guto Parente e Uirá dos Reis, toda a obra de Leonardo Mouramateus, mas em especial Vando Vulgo Vedita, sua colaboração com Andréia Pires, ou ainda o longa coletivo O Animal Sonhado. Diferente de todos os outros "cinemas" locais, que parecem se esmerar na busca por uma perfeição técnica ou narrativa que beira perigosamente a assepsia, parece existir ali um epicentro de profunda conexão com o corpo (unitário ou grupal) enquanto máquina criativa, talvez por conta da grande proximidade em que vivem seus universos de teatro e cinema.

Aquenda Nela, primeiro curta de Bárbara Cabeça, era um ensaio breve, e de certa forma contido, das experiências de uma drag queen iniciante, mas já ensaiava a ocupação de uma vaga nesse cenário. Com este Boca de Loba, Cabeça se apropria de vez dessa linguagem do jogo, da narrativa enquanto organismo vivo, horizontal, possível. Sua pequena anti-fábula sobre um grupo de mulheres que toma para si a noite, um espaço que lhes é tão estruturalmente negado, pega emprestado um trecho de Mulheres Que Correm Com Os Lobos, popular livro de Clarissa Pinkola, mas não se encerra nessa referência. Essas mulheres não são apenas lobas, mas pastoras, bruxas, contadoras de histórias que preservam seu legado e deixam sua marca; seja nas paredes, seja umas nas outras. Me toca particularmente um filme que tem consciência de seu apelo plástico, que não foge do excesso da cor, do artifício, da falsidade. Essa Fortaleza noturna se deixa filmar como um grande tablado porque é assim que é.

Boca de Loba (★★★★)
Bárbara Cabeça, Brasil, 2018

Filme assistido na sessão Noturnas do FINCAR 2018.